EXPOSIÇÕES

Museu de Moscou recebe exposição sobre a

construção de Brasília

que já correu nove países.

A Embaixada de Moscou inaugurou nesta terça-feira (3/7) uma exposição sobre a capital brasileira.

   O lançamento da mostra, que tem a curadoria e produtora cultural Danielle Athayde, no Museu de Moscou, contou com a presença do embaixador do Brasil na Rússia , Antonio Salgado , e do subsecretário de Promoção e Marketing do Governo do Distrito Federal, Sandro Cunha.

Danielle explicou que o visitante poderá acompanhar, por meio dos traços únicos dos arquitetos, urbanistas e paisagistas responsáveis , o nascimento da cidade.

"É um acervo interessante sobre histórias da criação e construção de Brasília,do Plano Piloto, sobre o urbanista Lúcio Costa,os grandes palácios pensados por Niemeyer. Temos obras de arte da coleção Brasília e um acervo de artistas contemporâneos. Vale muito a pena".

 

Agora na Copa do Mundo, a exposição Brasília – da utopia à Capital cedeu espaço para uma exposição de camisas dos times de futebol da Série A do Brasileirão.

 

"O visitante vai ter acesso à história de cada clube, conhecer as cores, os brasões e as peculiaridades de cada time. É interessante para o público em geral conhecer essa nossa forma de divulgar o Brasil por meio dos clubes da Série A"

Exposição já foi vista por mais de 300 mil pessoas e chega à capital russa durante o Mundial,após ser visitada por mais de 300 mil pessoas na Espanha, Portugal, Argentina, Chile, Índia, França, Alemanha e Brasil, chega a Moscou (3 a 31 de julho de 2018) a exposição “Brasília – da utopia à capital”, um relato histórico e artístico da epopeia de construção da nova capital brasileira em menos de quatro anos pelo governo do então Presidente Juscelino Kubistchek (1956-1960).

São mais de 300 itens entre fotografias, vídeos, mapas, objetos históricos, maquetes e esculturas provenientes de coleções públicas e privadas reunidas pela curadora Danielle Athaide.

 BRASÍLIA EM MOSCOU

Após percorrer oito países, a mostra “Brasília– da utopia à Capital” chega a Moscou durante o período em que se comemoram duas importantes datas: a Copa do Mundo de Futebol 2018 e os 190 anos de relações diplomáticas entre Brasil e Rússia.

Com curadoria de Danielle Athayde, a exposição propõe uma viagem no tempo com início em 1751, quando o Marquês de Pombal (em Portugal) cogitou pela primeira vez o projeto de transferência da capital do Brasil para o interior do país.

Fotografias e maquetes mostram a evolução da cidade desde as primeiras construções até a atualidade, numa retrospectiva enriquecida com obras de arte, objetos históricos, documentos e vídeos. “São itens pouco conhecidos pelo público, mas essenciais para o entendimento da formação da nova capital brasileira”, explica a curadora.

 

COMO CRIAR UMA CIDADE

A apresentação deste conjunto numa linha de tempo destaca a história de formação da cidade em detalhes significativos, além de homenagear alguns de seus principais personagens, como o Presidente Juscelino Kubitschek; o urbanista e autor do Plano Piloto da cidade, Lucio Costa; o paisagista Roberto Burle Marx e o genial arquiteto Oscar Niemeyer.

Ao longo do percurso, o visitante irá evidenciar raros registros de fotógrafos que capturaram os primórdios da nova Capital em diferentes momentos. Entre eles, Peter Scheier, Jesco Puttkamer, Fábio Colombini, Marcel Gautherot, Mário Moreira Fontenelle, João Facó, Bento Viana e Rui Faquini. A este conjunto integra-se também maquete de (30 m2) que reproduz Brasília em ampla perspectiva.

A mostra irá ocorrer no Museu de Moscou, na rua Zubovsky boulevard, 2 – Edifício 3, espaço histórico da capital russa. A abertura para convidados será no dia 3 de julho. Para o público, a partir do dia 4 de julho até 31 de julho.

ACERVOS E TALENTOS

 O acervo que compõe esta exposição é originário de nada menos do que sete instituições culturais brasileiras: Arquivo Público do Distrito Federal, Instituto Moreira Salles, Casa Lucio Costa, Fundação Athos Bulcão, Fundação Oscar Niemeyer, Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Goiás e Museu de Astronomia e Ciência Afins (Mast) do Rio de Janeiro.

Além desse significativo conjunto, destaca-se a importante contribuição de obras particulares, com destaque para a Coleção Brasília – acervo Isolete – Domício Pereira.

Entre as peças cedidas por essas instituições, serão vistos desenhos originais de Lucio Costa e cartas trocadas entre os arquitetos Oscar Niemeyer e Le Corbusier, por exemplo. Destacam-se, também, obras do paisagista Burle Marx e de Athos Bulcão, pintor, escultor, azulejista e discípulo de Portinari, um dos principais artistas ao lado de Niemeyer no processo de criação dos projetos dos principais edifícios públicos da nova Capital.

É referencial histórico e artístico, também, a exposição de peças da Coleção Brasília – esculturas, obras de arte, objetos decorativos e livros que datam da construção da capital. Obras dos artistas Alex Flemming, Naura Timm e Tarciso Viriato compõem um expressivo núcleo de arte contemporânea.

Alex Flemming

Paulista radicado em Berlim, está presente com três registros fotográficos da Catedral Metropolitana, com intervenção de cor e elementos gráficos.

Naura Timm

Naura Timm é importante artista e gravadora brasileira contemporânea, radicada em Brasília.

Possui uma obra extensa e madura inspirada na simbologia cultural criada pelo nosso inconsciente coletivo. Suas inspiradas criações têm profundas relações com correntes como o Realismo Mágico, além do Surrealismo e do Dadaísmo.

Nesta mostra, ela nos apresenta o conjunto denominado Anima – Memórias da Natureza. São esculturas objetos a partir de raízes de espécies da flora do cerrado brasileiro, coletadas ao longo de duas décadas.

Tarciso Viriato

Viriato (*1950) expressa em pinturas, desenhos e colagens uma narrativa pop atual. Seu poli cromatismo parece absorver a luminosidade do planalto central brasileiro onde está Brasília.

Em 1994, ganhou bolsa-viagem para a Iugoslávia, cujo governo lhe concedeu prêmio pela campanha “Artistas pelas Crianças Refugiadas”. Em 2004, participou do calendário da Cruz Vermelha “Artistas pela Humanidade”.

Realizou exposições no Brasil; Nova Iorque, Versailles – França, Boston e Hungria. Nesta mostra, apresenta o tríptico Labirintos da História.

A MOSTRA

 A exposição é o resultado de uma extensa pesquisa que embasou tese de mestrado defendida em 2009 pela curadora Danielle Athaide na Fundação Ortega y Gasset, sediada em Madri, na Espanha.

Aprovada com louvor, a proposta de uma mostra sobre o fenômeno urbanístico e de arquitetura moderna que é Brasília foi materializada e apresentada na capital espanhola durante o cinquentenário da capital brasileira, em 2010.

Na sequência, o evento – com estrutura modular – seguiu para Lisboa, em Portugal; Buenos Aires, na Argentina; Santiago, no Chile; Nova Délhi, na Índia; Paris, na França; Berlim, na Alemanha e na própria Brasília. Já foi visto por público recorde: cerca de 300 mil pessoas.

Esta edição em Moscou tem parcerias com o Ministério das Relações Exteriores  o Governo de Brasília e a Secretaria de Turismo do DF,  além do expressivo apoio da Embaixada do Brasil em Moscou.

A mostra permanecerá em Moscou do dia 3 até o dia 31 de julho. Há negociações para sua montagem na cidade de São Petesburgo. Após seu retorno ao Brasil, ela deverá percorrer outros Estados.

DESTAQUES

Maquete do Plano Piloto

A obra traduz em sua concepção o projeto urbanístico do Plano Piloto de Brasília de autoria do arquiteto Lucio Costa para a construção da nova capital do Brasil.

Definida por uma área de 21×17km, é delimitada em seus quatros pontos cardiais – ao sul, o Aeroporto Internacional JK; ao norte, a nova Torre de TV Digital; a leste, a barragem do Lago Paranoá; e a oeste, a Rodoferroviária.

Com escala de 1:3500, mede 6,00×4,80m. É dividida em 18 módulos iguais de 1,60×1,00m, sendo sua superfície (planta baixa) composta por painéis fotográficos obtidos por imagens de satélite que destacam detalhes do Plano Piloto em alta resolução.

Essas imagens foram capturadas e digitalizadas com suas coordenadas paralelas ao Eixo Monumental do Plano Piloto, facilitando a leitura pelo público. Nas fotos impressas, foi utilizado o processo de tinta pigmentada sobre papel fotográfico (Fine Art). Este papel recebeu acabamento laminado, sendo posteriormente montado sobre um painel de pvc de 2mm e, finalmente, adesivado sobre um chassi de madeira com 7cm de altura. Os chassis, neste caso aparafusados uns aos outros, dão estrutura correta e fidedigna para a montagem final da obra.

Todos os prédios significativos são representados em volume, utilizando-se acrílico de diversas espessuras cortado a laser e acabamento com tinta sintética.

A maquete representa fielmente toda a arquitetura e o urbanismo de Brasília até 2010.  Portanto, neste contexto, pode-se afirmar que é a mais atualizada, proporcionando ao público uma visão mais próxima e real do projeto arquitetônico e urbanístico mais importante do século XX.

Coleção Brasília

 

A coleção particular de Izolete e Domício Pereira será aberta ao público nesta exposição.

O casal participou da construção da nova capital e reuniu uma gama de obras de arte que vão de desenhos de Burle Marx e Athos Bulcão a moedas comemorativas e esculturas de autores como Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti e Maria Martins, constituindo-se num conjunto dos mais significativos de acervos artístico e histórico do período.

AOS FOTÓGRAFOS

 Peter Scheier

De origem alemã, passou a viver em São Paulo após fugir dos nazistas. Inicia sua carreira como fotógrafo trabalhando em grandes publicações como O Estado de S. Paulo e O Cruzeiro. Depois disso, trabalha como fotógrafo oficial do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e faz algumas expedições fotográficas a Brasília. Em 1975, retorna ao seu país natal, onde publica as fotos relativas à capital, presentes na mostra.

Jesco von Puttkamer

Carioca de ascendência sueca, estudou Química na Alemanha até ser preso pelos nazistas e depois liberto pelo exército americano. De volta ao Brasil, tornou-se membro do Departamento de Relações Públicas da Novacap devida a sua boa fluência em idiomas estrangeiros (falava alemão, inglês e francês). Além de fazer registros da construção de Brasília, prestou serviços fotográficos à jornais da capital, criando em seu quintal o que viria a ser um dos primeiros estúdios de fotografia da nova cidade.

Marcel Gautherot

De origem francesa, desembarcou no Brasil ainda nos anos 40 e se apaixonou pelo país. Na década de 1950 foi contratado pela Novacap para registrar o trabalho dos candangos na construção da nova capital.

Além disso, pôde registrar o nascimento dos grandes monumentos da capital, como a Catedral Metropolitana, além de realizar registros curiosos das primeiras turmas presentes na Universidade de Brasília onde as aulas ocorriam ao ar livre o que se traduzia na época por uma das mais revolucionárias propostas de ensino no País.

Mário Fontenelle

Natural do Delta do Parnaíba, no Piauí, Mário chegou a Brasília na época da sua construção. Veio acompanhando a comitiva do presidente Juscelino Kubitschek ainda em 1956.

É dele uma das mais célebres fotografias deste período. Registrou, a bordo de avião, o cruzamento em 90 graus feito por tratores dos hoje eixos Monumental e Rodoviário em forma de Cruz quando não havia nada ainda construído. Na mostra serão vistas fotos inéditas feitas na Capital antes mesmo da sua inauguração.

João Facó

As fotos aéreas da capital foram produzidas por este fotógrafo para a série “Asas de Brasília”. Formado em cinema pela Universidade de Brasília, realizou vários documentários focado em questões sociais e na preservação do meio ambiente.

Fábio Colombini

Formado em arquitetura pela Universidade de São Paulo, é autodidata em fotografia e se especializou em registros da natureza.

Foi convidado a contribuir com seu olhar apurado sobre os belos cenários da Capital. O  resultado será visto em primeira mão no âmbito da mostra.

Rui Faquini

Vive há 58 anos em Brasília. Nos anos 60, conheceu Otto Stupakoff que lhe deu as primeiras lições e grande incentivo para se aperfeiçoar como fotógrafo.

Profissionalizou-se como free lance, documentarista e publicitário, além de publicar mais de dez livros autorais e ser tema em várias exposições individuais no Brasil e no exterior.

AUDIOVISUAL

Durante a exposição, os visitantes poderão interagir com vários recursos audiovisuais.

O primeiro deles evidencia em time line a possibilidade do visitante não apenas ter acesso à história da Capital, como também visualizar o momento vivido àquela época no País.

Na sequência, uma projeção sobre azulejos e desenhos geométricos de Athos Bulcão. Destaca-se também documentário de 16 minutos que registra a saga de uma família pioneira que se propôs, a bordo de um veículo Kombi, conhecer a distante Nova Capital ainda nos primórdios de sua construção.

CATÁLOGO

Para a apresentação da exposição em Moscou, foi editado catálogo bilíngue em Português e Russo.

A edição é relevante pois contextualiza a memória do conteúdo do projeto, proporcionando uma detalhada análise teórica dos fatos, acontecimentos e assuntos nele abordados.

 

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA – FALE CONOSCO
www.brasilia50.info/imprensa
DF: 55(61) 992311403
Danielle Rocha Athayde – d
anielleathayde@yahoo.com.br

CONVITE 

Exposição Vertentes do Moderno

Curador selecionou obras e criações brasileiras que remetem abstração, geometria e simbolismo.

 

Referência em design contemporâneo e mobiliário brasileiro na Capital do país, a Hill House, em Brasília, recebe a exposição “Vertentes do Moderno”. O marchand e curador Oto Reifschneider, especializado em formação de coleções, selecionou trabalhos de grandes artistas nacionais e internacionais que traçam a força da gravura brasileira, na abstração, simbolismo e geometria.  A joalheira Cyntia Tomi é a artista convidada e que tem inspiração nas mesmas linhas para as suas criações.

Mais de quarenta obras originais dos anos 1950 até os anos 2000 estarão em exposição. Serão gravuras em metal, litografias e serigrafias de Oscar Niemeyer, Athos Bulcão, Darel Lins, Rubem Valentim, Friedlaender, Volpi, Burle Marx, Palatnik, Renina Katz, Barsotti, Fayga Ostrower, Mavignier e Tomie Ohtake.

A joalheira Cyntia traz em suas criações o ouro e a prata como elementos principais. Ao todo, são 22 peças, 11 em prata e 11 em ouro, todas têm como inspiração objetos geométricos e de decoração e a arquitetura.

A mostra é gratuita e ficará em exposição de 28 de junho a 15 de julho, na Hill House – Shopping Casa Park. Horário de visitação de segunda a sábado, das 10h às 22h. Entrada franca e censura livre.

Exposição “Vertentes do Moderno”

De 28 de junho a 15 de julho de 2018

Local: Hill House

Endereço: Shopping Casa Park

Horário de visitação: Segunda a sábado das 10h às 22h

* Visitação gratuita. Censura livre.

CCBB comemora aniversário

de Brasília com abertura da

 

exposição

 Jean-Michel Basquiat

 programação diversificada

 

 

O Centro Cultural Banco do Brasil irá comemorar o aniversário de Brasília com a abertura da exposição Jean-Michel Basquiat – Obras da Coleção Mugrabi, além de programação diversificada que inclui oficina de grafitagem, atividades do Movimento Internacional de Dança - MID, distribuição de brindes e visitas mediadas do Programa CCBB Educativo - Arte Educação.

 

A festa começará às 9h da manhã com abertura de exposição que chega a Brasília depois de passar pelo CCBB de São Paulo com enorme sucesso. A mostra, que fica no CCBB de Brasília até o dia 1º de julho, é composta por mais de 80 peças entre as quais destacam-se a Hand anatomy (Anatomia da mão, 1982), Old cars (Carros velhos, 1981), Selfportrait (Autorretrato, 1981), Do not revenge (Não se vingue, 1982) e Loin (Lombo, 1982), pois foram produzidas em um dos períodos mais produtivos de Basquiat.

 

Das 12h às 16h, a oficina de grafitagem proporcionará aos participantes a experiência de personalizar camisetas utilizando a técnica de pintura com estêncil e spray, mergulhando os integrantes da oficina no mundo de Jean-Michel Basquiat. O artista tornou-se conhecido, principalmente, por seus trabalhos de grafitagem realizados no metrô de Nova Iorque.

 

Como parte da celebração do aniversário da capital, animadores farão a distribuição de brindes aos visitantes, mediante apresentação do cartão Ourocard. Para os frequentadores do Bistrô Bom Demais, será oferecido um brigadeiro gourmet para quem consumir um dos pratos especiais do dia. Os clientes Banco do Brasil possuem desconto de 10% mediante pagamento no cartão de débito.

 

Às 11h acontecerá a Batalha de Breaking na programação do MID, que inclui dançarinos de todo o país. Em seguida, serão realizadas aulas de dança para o público infantil e adulto, com diferentes estilos e ritmos. Já às 15h, o PARTITUUR apresentará dinâmica para as crianças a partir de sete anos, em que questões de identidade, escolhas pessoais e coletivas, representação, engajamento e desejo serão constantemente abordadas através da brincadeira.

 

A partir das 12h, o programa CCBB Educativo Arte Educação irá participar da festa com visitas mediadas para dialogar, compartilhar, trocar olhares, leituras e produções de significados em torno das produções, práticas e trajetória do artista Jean-Michel Basquiat.

 

Para fechar a programação com chave de ouro, a partir das 18h, o público poderá desfrutar da praça de alimentação com Food Trucks e da festa “Vem dançar com a gente”, com a presença da DJ Doona que promete colocar todos para dançar ao som de Black Music.

 

Programação:

 

9h às 21h - Visitação à Exposição Jean-Michel Basquiat – Obras da Coleção Mugrabi | Galerias I, II e Pavilhão de Vidro

 

09h às 21h - Bistrô Bom Demais

 

10h às 17h - Distribuição de brindes aos visitantes | Vão central e jardim

 

11h às 15h - Batalha de Breaking | Vão central do CCBB

 

12h às 13h - Visitas mediadas do Programa Educativo

 

12h às 16h – Oficina de grafitagem | Jardins

 

15h, 17h e 19h – MID - PARTITUUR

 

17h às 22h - Palco aberto, aulas de dança e Festa | Praça Central do CCBB

Grupos: Charadas, Elo61 e Edigar Fortunato. Festa contará com DJ, Food trucks e bikes.

 

 

Aniversário de Brasília

Data: 21 de abril – sábado (feriado)

Local: Centro Cultural Banco do Brasil

Endereço: SCES, Trecho 2, Brasília/DF, tel.: 61 3108-7600

Horário: 9h às 22h

Entrada Franca

Configuração indicativa: Livre

MARCHAND VIRGINIA ANTERO REALIZA EXPOSIÇÃO “CYNTIA TOMI E BURLE MARX” EM HOMENAGEM AO ANIVERSÁRIO DE BRASÍLIA

 

Curadora selecionou telas e gravuras do artista plástico e 20 criações da joalheira

 

Galeria que há mais de 20 anos promove a arte brasileira na capital do país, a Expoarte vai realizar uma mostra em celebração ao aniversário de Brasília. A marchand Virgínia Antero de Carvalho selecionou dois artistas com grande vinculo com a cidade, o paisagista e artista plástico Burle Marx e a joalheira Cyntia Tomi. “É o encontro do que já se tornou clássico na nossa jovem cidade com o atual e contemporâneo”, comenta Virgínia.

 

Juntamente com os arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, Burle Marx é reverenciado como um pioneiro do Modernismo Brasileiro. Seus projetos para a capital, Brasília, e, principalmente para o Rio de Janeiro, produziram um impacto duradouro sobre a face dessas cidades. Seus trabalhos se relacionam à arte abstrata e a desenhos geométricos. Já Cyntia Tomi irá revelar pela primeira vez em uma exposição às criações que fez inspirada nos monumentos de Brasília.

 

Ao todos, são 20 peças em prata, algumas que fazem alusão a pontos turísticos conhecidos em todo o país, como a Ponte JK, a arquitetura de frestas do Superior Tribunal de Justiça, o desenho dos prédios das Super Quadras do Plano Piloto, o B Hotel Brasília inspirado nas linhas retas da capital, entre outros locais da cidade.

 

A mostra é gratuita e ficará em exposição de 14 a 25 de abril, na Expoarte Galeria – Edifício Brasilia Desing Center - SRTVS Q. 701. Horário de visitação de segunda a sexta das 10h às 19h e sábado das 10h às 14h. Entrada franca e censura livre.

 

Exposição “Cyntia Tomi e Burle Marx”

De 14 a 25 de abril de 2018

Local: Expoarte Galeria

Endereço: Ed. Brasilia Desing Center - SRTVS Q. 701

Horário de visitação: Segunda a sexta das 10h às 19h, sábado das 10h às 14h

* Visitação gratuita. Censura livre.

Fotografia sem amarras,

arte sem fronteiras

 

Festival Internacional de Fotografia Brasília Photo Show abre inscrições para edição 2018/2019 e traz novidades

15 - Moisés Padilha
15 - Moisés Padilha

press to zoom
Bruno Marin
Bruno Marin

press to zoom
Suzana Negrini
Suzana Negrini

press to zoom
15 - Moisés Padilha
15 - Moisés Padilha

press to zoom
1/12

As inscrições para o Festival Internacional de Fotografia Brasília Photo Show (BPS) 2018/2019 estão abertas!

 

 Considerado um dos maiores festivais populares do planeta, as fotos vencedoras formam o acervo de um livro, conquistam status de arte e protagonizam uma série de exposições nas principais capitais do País! Fotógrafos profissionais e amadores podem participar enviando registros por meio do site do festivalwww.brasiliaphotoshow.com.br até o dia 16 de julho. A 4ª edição do BPS chega com uma série de novidades. Além de premiar os autores das imagens vencedoras com estatuetas, equipamentos fotográficos, celulares e créditos de viagem, o encerramento do Festival será marcado por uma série de atividades. Serão quatro dias de evento em novembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

 

Na programação, workshops, tours fotográficos, leitura de portfólios, feira de equipamentos de tecnologia de imagem, festas temáticas e muito mais.

 

Mais democrática do que nunca, a fotografia do século XXI capta, conecta, desperta e transporta. “O BPS vem soltando amarras. Não nos interessa se quem fez o clique é profissional ou amador. O que importa para o Festival é a emoção que a foto desperta, são as conexões que o clique pode proporcionar”, observa o idealizador e curador do BPS, Edu Vergara. Segundo ele, a essência do Brasília Photo Show está na democratização da arte, da fotografia. Qualquer pessoa com um smartphone na mão pode participar e votar na edição corrente do Festival. “A coletânea de fotos que formaram o livro e as exposições passam pelo crivo da curadoria do festival, mas é o público que acessa o perfil do BPS nas redes sociais que influi diretamente no apontamento dos vencedores”, revela o fotógrafo. “Com as novas tecnologias, milhares de olhares se conectam por um turbilhão de sentimentos, realidades e razões, independentemente da distância que separa o fotógrafo do observador”, pontua.  

 

Tudo novo de novo

O BPS 2018/2019 tem uma série de novidades. O participante poderá escolher entre 16 categorias na hora de fazer a inscrição. Essa é uma reivindicação dos fotógrafos que mandam trabalhos desde a primeira edição do festival. A nova regra irá direcioná-los para as suas habilidades e talentos. “Serão seis finalistas em cada categoria. Assim como nas grandes premiações do cinema, o vencedor será revelado somente na hora da entrega da estatueta. Teremos uma festa de encerramento com música, teatro e outras manifestações artísticas”, revela Vergara. O objetivo é transformar o Brasília Photo Show em patrimônio cultural da cidade para que todos possam se divertir e crescer com o evento.

 

As surpresas não param por aí. A premiação é apenas um dos eventos que fecham o festival 2018/2019 em novembro próximo. Serão quatro dias que movimentarão o Centro de Convenções Ulysses Guimarães. O encerramento contempla também uma feira de equipamentos e tecnologia de imagem com os exponentes da indústria em estandes que trarão as principais novidades do setor. “Teremos ainda duas experiências interessantes, uma festa com diversas atrações para os fotógrafos se divertirem com milhares de cliques com foco em pessoas e ações, além de tours fotográficos por Brasília,que é uma das cidades mais fotografáveis do planeta”, adianta Vergara. Estão previstos ainda shows, workshops, palestras, cursos, mesas de bate papo fotográfico, leituras de portfólios, brinquedoteca temática, praça de alimentação, exposições e homenagens a fotógrafos que marcaram a história da fotografia nacional. “Estaremos criando na capital do País um pólo de cultura diferenciado, marcante e duradouro, que movimentará o mundo da fotografia e da tecnologia da imagem durante todo o ano”, acrescenta.

 

Exposições

As exposições de 2018 brindam um espectador eclético com imagens em quadros e painéis. Elas integram um ciclo de mostras em espaços abertos, com livre acesso ao público, como JK Shopping, Taguatinga Shopping, Brasília Shopping e Terraço Shopping. “Todas terão um acervo inédito, nenhuma mostra se repete. Os fãs de fotografia poderão conhecer os cliques das categorias de destaque que estão no livro da edição passada”, relata Vergara.A primeira mostra será aberta no dia 23 de março (veja datas em Serviço). Durante a itinerância, talks com expoentes da fotografia e debates de temas ligados a essa arte também ocorrem nos locais das mostras. O fim das exposições será marcado com um leilão de obras realizado no Brasília Shopping, dia 1º de agosto. Parte da arrecadação será destinada a instituições que cuidam de crianças carentes.

 

Números do Festival

O Brasília Photo Show é considerado o maior festival de fotografia popular do Brasil. De 2015 a 2017, mais de 32 milhões de visitas à página oficial do festival no Facebook foram registradas

 

     Mais de 20 mil fotos participantes foram postadas. O crescimento dos números tem mostrado o quanto o BPS tem conquistado fotógrafos do Brasil e também do exterior. Na primeira edição (2015), 5,4 mil fotos foram inscritas. O festival registrou mais de 5,2 milhões de views no Facebook. Na segunda edição, em 2016, 6,4 mil fotos inscritas e mais de 10 milhões de views na rede social.“Em 2017 quebramos todos os recordes. Tivemos 9.050 fotos inscritas e cerca de 20 milhões de views. Numa única semana, tivemos mais de 1,3 milhões de pessoas acompanhando o festival na nossa página no Facebook. A expectativa para 2018 são de 15 mil inscrições e 30 milhões de views”, revela Rodrigo Nimer, diretor executivo do festival.

 

Inscrições para o Brasília Photo Show 2018/2019

Data: De 16 de Março a 16 de julho de 2018

Local: www.brasiliaphotoshow.com.br

VALOR DAS INSCRIÇÕES: Os fotógrafos que inscreverem até 2 (duas) fotos não pagam inscrição. A partir da terceira foto inscrita, há cobrança de R$25 por imagem. Menores de 18 anos não pagam inscrição mas podem inscrever apenas duas fotos no festival.

 

EXPOSIÇÕES E TALKS:

Jk Shopping: 23/03 a 01/04

Taguatinga Shopping: 02/04 a 12/04

Brasília Shopping: 13/04 a 23/04

Terraço Shopping: 24/04 a 03/05

Leilão Foto Social - 01/08 no Brasília Shopping